A Prefeitura de Campinas  marcou para 23 de março uma audiência pública e espera lançar até maio uma nova licitação para dar início à troca de ônibus a diesel por elétricos no transporte municipal.

A Secretaria de Transportes espera que até o final de 2018 apenas veículos elétricos ou híbridos possam circular no centro da cidade do interior paulista.

A audiência pública será no Paço Municipal, no dia 23 de março, às 9h (Avenida Anchieta, 200).

Campinas será a segunda grande cidade do país a lançar uma licitação de ônibus em 2018 – depois de São Paulo.

A frota municipal tem 1.200 ônibus, que transportam 610 mil passageiros/dia (224 mil usuários).

Carlos Barreiro quer zona livre de combustíveis fósseis

O secretário municipal de Transportes, Carlos Barreiro, decidiu antecipar em três anos o fim dos atuais contratos assinados em 2006, que venceriam em 2021.

Um dos motivos foram as restrições do Tribunal de Contas do Estado, que apontou irregularidades na licitação anterior.

O motivo principal, no entanto, é a decisão do prefeito Jonas Donizette de acelerar a transição dos ônibus a diesel para elétricos.

Em  março de 2017, o prefeito já havia anunciado a meta de eletrificar ao menos 10% da frota até 2020 – portanto, antes do vencimento dos atuais contratos.

ZONA BRANCA

O secretário de Transportes quer criar ainda este ano uma Zona Branca no centro de Campinas, proibida à circulação de veículos movidos a combustível fóssil.

Ele espera lançar a licitação em maio e assinar os primeiros contratos 90 dias depois.

Hoje, cinco empresas operam as quatro áreas do transporte coletivo municipal de Campinas:

Área 1-Azul Claro: VB Transportes;
Área 2-Vermelha: Consórcio Concicamp (Itajaí e Expresso Campibus);
Área 3-Verde: Consórcio Urbcamp (VB Transportes e Coletivos Pádova);
Área 4- Azul Escuro: Onicamp Transportes.

Segundo pesquisa do IBGE divulgada em dezembro de 2017, Campinas tem a terceira maior economia do Estado e a 11ª do país, com PIB municipal de R$ 56,4 bilhões (2015).

No Estado, fica atrás apenas de São Paulo e Osasco; no Brasil, supera capitais como Recife (PE), Goiânia (GO) e Vitória (ES).

Uma de suas indústrias é a filial da chinesa BYD, fabricante de ônibus elétricos e baterias, inaugurada em abril de 2017.

Em população, Campinas é a terceira cidade paulista, com 1,18 milhão de habitantes (depois de São Paulo e Guarulhos), e a 14ª do Brasil.