+ 55 11 95853 4565

O que vem primeiro, os veículos elétricos ou a infraestrutura para eles?

Afinal, o que vem primeiro, os veículos elétricos (VEs) ou a infraestrutura para o seu abastecimento? Pelo que podemos observar, quem vem vindo antes neste dilema são os veículos. Aqui no Brasil o movimento acontece, principalmente, a partir dos early adopters ─ que são as pessoas mais dispostas a usarem novas tecnologias, pelas próprias montadoras e empresas do setor de mobilidade elétrica, mas é seguido bem de perto pela infraestrutura, que cresce de acordo com o aumento da frota. 

Nos países da Europa, por exemplo, onde o setor está mais avançado, o crescimento também aconteceu dessa forma, com o aumento da frota de veículos puxando a infraestrutura. A diferença é que lá a expansão se deu por incentivos governamentais, com o objetivo de reduzir a emissão de gases de efeito estufa, e também pela redução do custo da produção de baterias. Segundo Raphael Pintão, sócio-diretor da NeoCharge, empresa pioneira em infraestrutura para veículos elétricos, a expectativa de crescimento no Brasil é exponencial para os próximos anos, com participação cada vez maior do veículo elétrico puro ─ o BEV ─ na vida dos brasileiros e, consequentemente, o desafio de criar uma rede de abastecimento para residências, comércios e rodovias.

Ainda que mais lento, em relação a outros países, o setor está crescendo e se consolidando aqui no Brasil. Houve avanços consideráveis nos últimos anos como a redução de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para veículos elétricos e a Resolução Normativa nº 819/2018 da ANEEL, que regulamenta a cobrança de recarga para veículos elétricos. Já em relação à infraestrutura, vale citar as leis que obrigam a instalação de carregadores em determinados tipos de empreendimentos, que já são aplicadas nas cidades de Brasília e São Paulo. E para os proprietários/usuários há incentivos como a isenção de rodízio, do IPVA, entre outros.

A rede de abastecimento para estes veículos no Brasil ainda é pequena se comparada com outros países, mas é possível ver algumas iniciativas pelo país, como por exemplo, os pontos de recarga instalados na rodovia BR-277, no Paraná, que corta o estado de leste a oeste, e na rodovia Presidente Dutra, que liga as capitais de São Paulo e Rio de Janeiro.  “Além disso, vale lembrar que a maior parte dos carregadores ficarão na casa dos proprietários dos veículos”, afirma Pintão. “A demanda residencial tem aumentado bastante, boa parte de nossos projetos são para construtoras e condomínios”, acrescenta. Segundo a pesquisa Quatro Rodas Carros Elétricos, realizada pela Inteligência Abril em parceria com a empresa Mind Miners, de dezembro de 2019 a janeiro deste ano, 94% dos motoristas consideram uma autonomia de 300km suficiente para carros elétricos no uso diário, mas 79% acreditam que esse rendimento fica aquém do necessário nas viagens. Atualmente, há no Brasil cerca de 500 postos de recargas oficialmente conhecidos, segundo dados da Agência Internacional de Energia (IEA).

Para o sócio-diretor da NeoCharge, além da questão sustentável, há quatro motivos que farão os veículos elétricos explodirem em vendas no mundo e no Brasil: primeiro o custo do abastecimento, que é quatro vezes menor em relação ao veículo à combustão, seguido pela eficiência do motor elétrico, que é de aproximadamente 95% contra algo em torno de 12% a 30% do motor à combustão, depois a manutenção, já que o veículo elétrico tem 2000 peças móveis, o Tesla Model S, por exemplo, tem 18, menos de 1% do veículo à combustão e, por último, a performance, o motor elétrico entrega torque máximo instantaneamente, enquanto o motor à combustão entrega o torque máximo aproximadamente a 3000 RPM (Rotação Por Minuto). “Há alguma pressão contrária por parte dos fabricantes de motor à combustão e os de etanol, mas a eletrificação é um movimento sem volta e o crescimento aqui será rápido, acompanhando o resto do mundo”, afirma. Para ele, o que falta é somente um plano mais ambicioso e estruturado, de longo prazo, para substituição consciente da frota antiga pela elétrica.

Sobre a NeoCharge – A NeoCharge nasceu em 2016 como sendo o braço da NeoSolar, empresa fundada em 2010, líder de mercado em energia solar fotovoltaica.

A empresa paulista leva em seu DNA o espírito empreendedor e o desenvolvimento de negócios que impactam positivamente a vida de todos, estendendo a missão de promover a mobilidade elétrica no Brasil.

A NeoCharge oferece soluções em infraestrutura de recarga para veículos elétricos através de distribuição de equipamentos, cursos, serviços técnicos e operação compartilhada de estações de recarga e eletropostos.

Site: www.neocharge.com.br

Leia mais

Veículos elétricos: O que se deve levar em consideração antes de adquirir um

A oferta de veículos elétricos vem crescendo no mercado já que as principais montadoras de carros do mundo estão investindo fortemente na criação de diversos modelos com a ajuda da tecnologia, e até fomentando a infraestrutura para abastecimento. 

De acordo com a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), no Brasil, a frota atual de elétricos e híbridos é de 16 mil, e a projeção é que o mercado nacional cresça de 300 a 500% nos próximos cinco anos. E como se trata de uma tecnologia nova, quem deseja adquirir um veículo desse tipo tem muitas dúvidas em relação ao que se deve considerar antes. Abaixo, confira os principais pontos a se atentar:

O veículo elétrico atende minhas necessidades?

Antes de tudo, é importante pensar o seu estilo de vida e sua necessidade de uso. Aspectos como espaço ─ a necessidade é diferente dependendo da quantidade de pessoas que serão transportadas ─, se será usado para viagens longas ou viagens curtas aos fins de semana ou apenas no meio urbano para deslocamento ao trabalho, por exemplo. Há também o aspecto do custo benefício, além de conforto e facilidade no uso. 

A autonomia é suficiente?

A distância que o carro consegue percorrer antes que a energia armazenada na bateria acabe e seja necessário realizar uma recarga é um dos principais pontos a serem considerados na compra. Atualmente, a autonomia dos veículos é maior se comparada aos anos anteriores, mesmo assim, é importante conhecer seus hábitos de uso e ter certeza de que a autonomia do modelo seja suficiente para sua necessidade. 

No caso do uso urbano em que a distância percorrida é, geralmente, menor que a autonomia do veículo, o uso do carro elétrico se torna funcional, já que é mais fácil encontrar estabelecimentos como supermercados, shoppings e estacionamentos que possuem pontos de recarga. No caso de viagens que ultrapassem a autonomia do veículo, é mais complicado, pois, embora a infraestrutura para abastecimento dos veículos elétricos esteja aumentando, ela ainda é pouco abrangente no país. Sobre isso, Raphael Pintão, sócio-diretor da NeoCharge, empresa pioneira em carregadores e infraestrutura para veículos elétricos, afirma que este cenário está mudando, já que algumas estradas passaram a oferecer esse tipo de solução nos últimos anos. São iniciativas que visam estimular o uso dos veículos elétricos e contribuir com o crescimento do mercado,  como a BR-277 no Paraná, que corta o estado de leste a oeste, e a Rodovia Presidente Dutra, que liga as capitais de São Paulo e Rio de Janeiro. “No caso das estradas o movimento tem sido um pouco mais lento, mas já está acontecendo. Já os pontos comerciais têm investido muito em oferecer soluções em carregamento de veículos elétricos para o consumidor, à medida que tem observado o crescimento dessa tendência. O uso residencial também cresce, principalmente em casas e também em condomínios, que estão cada vez mais interessados em oferecer a tecnologia aos moradores e ter este diferencial”, afirma.

Como recarregar meu carro elétrico?

A primeira opção é o carregamento feito na própria residência, a maioria dos veículos vem com carregador portátil de fábrica incluso, que pode ser recarregado e conectado a uma tomada de três pinos com diâmetro maior (dessas que se usa para correntes elétricas mais fortes), sem adaptações na rede elétrica. Mas estes carregadores têm a desvantagem de serem mais lentos, levando muitas horas para completar a carga e sendo recomendados apenas em casos emergenciais. Por isso, dependendo do uso do veículo, é necessário investir em outras soluções, como os carregadores rápidos, que são mais robustos e possuem proteções que evitam danos na rede elétrica.

Já para os moradores de condomínios, há a possibilidade de ter uma estação compartilhada, um espaço exclusivamente para recarregar o carro, no qual a cobrança é feita diretamente para o proprietário. De acordo com o sócio-diretor da NeoCharge, os condomínios mais antigos estão buscando se adaptar à tecnologia e os novos empreendimentos já incluem pontos para recarga de veículo elétrico desde o projeto. 

Outra opção para o carregamento são as estações de recarga privadas. Está cada vez mais comum encontrar carregadores disponíveis em shoppings, supermercados, restaurantes e etc. Embora já exista uma regulamentação que permite a comercialização da energia para este fim, atualmente, a maior parte desses estabelecimentos oferece a recarga sem nenhum custo. Dessa forma é possível recarregar o carro enquanto se utiliza os serviços do estabelecimento. Além disso, há os pontos públicos, que devem ser instalados nas ruas, por todo país, ao longo dos próximos anos pelo Brasil. Para facilitar a vida dos usuários, existem aplicativos que indicam os locais onde há postos de recarga. O próprio Google Maps tem essa funcionalidade e mostra, inclusive, o tipo de plugue disponível.  

E para ficar mais econômico e sustentável há também a opção de utilizar a energia solar fotovoltaica como fonte de energia para o carregamento do veículo. “Este tipo de solução vem ganhando maior número de adeptos, pois a cadeia de produção e consumo de energia se torna toda limpa e sustentável”, ressalta Pintão. 

Capacidade de recarga e escolha do carregador

Cada carro possui uma capacidade de recarga e isso influencia no tempo, que, geralmente, varia entre uma e doze horas. Os carregadores também possuem uma capacidade máxima, variando entre 3,7kW e 22kW em corrente alternada. Segundo Pintão, um carro com a potência de 22kW utilizando um carregador de 22kW irá carregar em 22kW no total. Em um cenário que o veículo ou carregador tenha potência de 7kW, a recarga será limitada pela menor potência, neste caso, o carro irá recarregar em 7kW. 

Já em relação ao tempo de recarga, “um veículo com capacidade da bateria de 40 kWh, por exemplo, carregando em 22kW levará cerca de duas horas para completar a bateria. Na situação de carregar em 7kW, o tempo aumenta para quase seis horas. Esse não é um fator determinante, já que o carro poderia ficar conectado cerca de 12 horas todos os dias ao longo da noite e no outro dia a bateria estará totalmente carregada”, explica Pintão. Existem também os carregadores de carga rápida, frequentemente encontrados em rodovias. Eles fazem a recarga em corrente contínua e levam menos tempo que os carregadores residenciais e comerciais. Cerca de apenas 30 minutos, dependendo da capacidade da bateria do carro elétrico.

“Sendo assim, antes de adquirir um carregador de veículo elétrico, recomenda-se consultar o fabricante do carro para saber qual a potência máxima de carregamento. Assim você consegue escolher o carregador que melhor se adequa ao seu veículo”, ressalta Pintão.

Preço

Os veículos elétricos são uma ótima alternativa ambientalmente, mas ainda são caros se comparados com um carro do mesmo tamanho com motor a combustão. Mas o sócio-diretor da NeoCharge enfatiza que, mesmo que estes carros tenham um alto valor de mercado, manter um veículo elétrico já é economicamente mais barato que um carro a combustão. “O motor elétrico possui menor quantidade de peças móveis se comparado a um motor a combustão, e isso é mais vantajoso no que se refere à manutenção do motor, troca de óleo etc. O preço para “encher” o tanque do carro elétrico é mais barato, já que o valor da energia elétrica é menor que o combustível fóssil, e vale lembrar que existem os incentivos fiscais para quem possui um veículo elétrico”, explica. “Além disso, com toda a inovação, a tendência é que os preços sigam caindo e que este movimento aconteça alinhado com o aumento da infraestrutura para VE’se até mesmo com o aumento da concorrência”, acrescenta. 

Capacidade da bateria

A capacidade da bateria está ligada às necessidades e ao tipo de hábito no uso. Por exemplo: comparando a autonomia de um SUV a um carro compacto, ambos com a mesma capacidade de armazenamento de energia, a bateria do SUV acabaria mais rápido. Isso por conta de fatores como potência do motor elétrico, velocidade, peso do carro e recursos elétricos que o veículo utiliza (tela, ar condicionado, aquecedor etc.). Ou seja, dependendo do tipo de veículo, da capacidade que a bateria tem e das funcionalidades que ele possui, o consumo da energia poderá ser maior do que se espera, e isso influencia em sua autonomia.

O sócio-diretor da NeoCharge também atenta para o tipo de carregador que será utilizado, pois dependendo do tipo o tempo para recarregar a bateria pode ser maior ou menor. O carregador portátil, por exemplo, pode levar até 24 horas para carregar um veículo elétrico (por isso recomenda-se apenas para usos ‘emergenciais’), enquanto carregadores específicos de alta potência podem realizar a recarga em poucas horas. “O Renault Zoe possui bateria com capacidade de 41 kWh e uma autonomia para rodar até 255 km, com um carregador veicular de 11kW, seriam necessárias cerca de quatro horas para carregar totalmente a bateria”, exemplifica Pintão. 

Qual tipo de plug de tomada o carro possui?

Existem alguns tipos de plugues de tomada para carregar o veículo elétrico. Por exemplo: a montadora Tesla possui um padrão específico para os carros da marca. As montadoras japonesas e americanas utilizam o padrão de tomada Tipo 1, enquanto a europeia utiliza o Tipo 2.  A questão é que elas possuem diferentes padrões de conectores e protocolos de comunicação, isso significa que um carro elétrico com a tomada padrão Tipo 1 não conseguirá ser recarregado com a tomada padrão Tipo 2.

Algumas estações de recarga possuem cabo e padrão fixos, enquanto outras permitem usar um cabo com o tipo de tomada do usuário, como um adaptador. No Brasil, o plug de tomada mais comum é o Tipo 2, mas ainda há muitos carros sendo vendidos com outros. A dica do sócio-diretor da NeoCharge para evitar transtornos quanto ao padrão de plugue que estará disponível é ter um adaptador, solução simples, que garante recarga em qualquer local. 
Sobre a NeoCharge – A NeoCharge nasceu em 2016 como sendo o braço da NeoSolar, empresa fundada em 2010, líder de mercado em energia solar fotovoltaica.
A empresa paulista leva em seu DNA o espírito empreendedor e o desenvolvimento de negócios que impactam positivamente a vida de todos, estendendo a missão de promover a mobilidade elétrica no Brasil.
A NeoCharge oferece soluções em infraestrutura de recarga para veículos elétricos através de distribuição de equipamentos, cursos, serviços técnicos e operação compartilhada de estações de recarga e eletropostos.

Leia mais

Software de simulação Ansys impulsiona desenvolvimento de veículos elétricos no Brasil

De olho na tendência mundial, empresa de engenharia ESSS, de Florianópolis, prepara a indústria brasileira para o crescimento da demanda por veículos elétricos e híbridos   

Carros híbridos e elétricos representam apenas 0.3% dos veículos leves emplacados no Brasil em 2019, aponta o relatório de estatísticas publicado pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). O número modesto deve-se, principalmente, aos custos de aquisição elevados e à falta de infraestrutura, já que os veículos dependem de redes de abastecimento e cadeia especializada para manutenção.

Para apoiar a produção nacional, a catarinense Engineering Simulation and Scientific Software (ESSS), em parceria com a estadunidense Ansys, disponibiliza softwares de simulação que possibilitam às montadoras projetarem e produzirem com eficiência, em menor tempo, com redução de custos e maior precisão.

A tecnologia de híbridos e elétricos tem se tornado cada vez mais popular na China, Estados Unidos e alguns países da Europa. De acordo com o engenheiro da ESSS, Rodrigo Ferraz, a tendência de eletrificação já é realidade no setor de veículos comerciais no Brasil, e deve ser acompanhada também pelos veículos leves nos próximos anos. O país precisa se adaptar para esta virada tecnológica de forma rápida.

“O Brasil concentra 5% da frota de veículos do planeta. Seguindo a tendência mundial, sabemos que os elétricos e híbridos ficarão cada vez mais populares aqui também. Vamos ter desenvolvimento e produção local desses veículos e a simulação é parte chave deste ecossistema. O software Ansys oferece precisão e agilidade em etapas de design conceitual, buscando eficiência global do sistema e redução dos custos do projeto, considerando ainda softwares de controle, como gerenciamento de bateria e frenagem regenerativa. Com estas soluções as empresas poderão criar e se adaptar com celeridade”, explica Ferraz.

Os vizinhos brasileiros da América Latina, Chile e Colômbia estão investindo em frotas de ônibus 100% elétricos para o transporte público, iniciando uma saudável disputa pelo reconhecimento de cidades mais limpas e sustentáveis da América do Sul. Muitos destes contratos, que historicamente eram celebrados com montadoras brasileiras, estão sendo dominados por empresas estrangeiras que conseguiram apresentar uma resposta mais rápida às demandas.

“A indústria brasileira é referência mundial no desenvolvimento de equipamentos de eletrônica de potência e máquinas elétricas, porém o sistema de propulsão em veículos elétricos traz novos desafios, já que sua eficiência não reside na otimização individual de cada componente, mas na harmonia do sistema como um todo. As montadoras precisam de uma plataforma na qual possam simular todos os componentes, elétricos e termomecânicos, de maneira integrada, com modelos físicos fiéis à realidade” comenta Ferraz.

Benefícios da eletrificação automotiva  

Veículos elétricos não emitem gases com efeito estufa em sua locomoção, por isso são denominados “zero emissões”. Não dependem de combustíveis fósseis, fator que gera impactos ecológicos, econômicos e geopolíticos – já que a maioria dos países depende da importação desses produtos. São energeticamente mais eficientes que os veículos de combustão, tendo um gasto de energia por espaço percorrido menor que um veículo convencional.

A adoção do veículo elétrico não depende só de uma mudança de hábito, preferência do consumidor ou das montadoras. Será necessária uma ampla revisão de infraestrutura, abastecimento, incentivos fiscais. Os países que lideram o mercado de eletrificação, como a Noruega, por exemplo, adotaram uma série de medidas como: estacionamentos grátis para carros elétricos e crédito para compra do veículo por meio da redução de impostos.

No Brasil, a Prefeitura de São Paulo aprovou em maio de 2014, a Lei 15.997/14 que prevê que carros elétricos, híbridos e à célula de hidrogênio emplacados na cidade podem receber de volta 50% do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) pago, que corresponde a parte que cabe ao município. Os veículos também foram isentados do rodízio de São Paulo.

O que são veículos elétricos ou híbridos? 

Segundo o Instituto Nacional de Eficiência Energética (INEE), veículos elétricos são aqueles acionados por pelo menos um motor elétrico e são mais eficientes que os convencionais, acionados exclusivamente por motores de combustão interna. Como há mais de 44 milhões de veículos leves convencionais circulando no Brasil, o crescimento de elétricos pode contribuir para a redução de desperdícios evitáveis de combustíveis, sobretudo de origem fóssil.

Tipos de veículos elétricos disponíveis no mercado 

  • Veículos 100% Elétrico: como o nome sugere, esses modelos utilizam unicamente motores elétricos como sistema de tração. Fazem parte do grupo “zero emissões”: por terem um meio de locomoção não poluente não emitem gases nocivos para o ambiente, nem ruído considerável, uma vez que motores elétricos são mais silenciosos que motores de combustão interna.
  •  Veículos Híbridos: têm dois tipos de motores, um a combustão (podendo ser a gasolina) e outro elétrico. A bateria destes veículos só se recarrega com a regeneração de energia, quando o carro é freado.
  • Híbridos com plug-in: são veículos híbridos que permitem carregar o motor elétrico por meio de uma fonte externa de energia, como por uma tomada.

Leia mais

Veículo Elétrico Latino-Americano abre inscrições

14ª Plataforma Latino-Americana de Veículos Híbridos-Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias

É o mais importante evento do segmento na América Latina. O ambiente ideal para o fortalecimento do networking do setor, disseminando conhecimento, novas tecnologias e gerando negócios que tenham potencial para tornar as cidades mais inteligentes e sustentáveis.

Informações:
• Data: 1 a 3 de outubro de 2019
• Horário: das 13h às 20h
• Local: Transamerica Expo Center
Av. Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387 | CEP: 04757-020 | Santo Amaro | São Paulo – SP | Brasil

Para fazer a sua inscrição, clique aqui.

Leia mais

Participe hoje do Dia da Mobilidade Elétrica

Você tem um compromisso marcado com uma São Paulo mais limpa e sustentável hoje, sábado, dia 25 de maio de 2019. É a 4ª edição do Dia da Mobilidade Elétrica.

A largada começa na Rua Treze de Maio, a partir de 8h, percorre toda a Avenida Paulista e termina no Estádio do Pacaembu.

O Dia da Mobilidade Elétrica é um evento apoiado pela Associação Brasileira do Veículo Elétrico e organizado pela NürnbergMesse Brasil.

Tem o patrocínio de grandes empresas associadas à ABVE, como Toyota, Eletra, Enel, Mercedes-Benz, Nissan e Renault.

CARREATA

Se você tem um veículo elétrico de qualquer tipo – automóvel, quadriciclo, patinete, bicicleta etc -, não deixe de participar da carreata elétrica. É grátis.

E se você quer uma São Paulo menos poluída, compareça. Será uma oportunidade para conhecer os veículos que farão de São Paulo uma cidade melhor.

Ao final da carreata, esses veículos ficarão expostos e poderão ser conhecidos de perto na Praça Charles Miler, em frente ao Pacaembu.

Deverão participar cerca de 250 ônibus elétricos e híbridos, caminhões elétricos, automóveis, patinetes, skates, monociclos, diciclos, bicicletas e motos elétricas.

MAIO AMARELO

A partir deste ano, o Dia da Mobilidade Elétrica faz parte do calendário oficial do Maio Amarelo da Prefeitura de São Paulo.

O Maio Amarelo é uma iniciativa para chamar a atenção de motoristas e pedestres sobre segurança no trânsito e diminuir os números de acidentes nas ruas da cidade.

O evento tem o apoio do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), instituição social sem fins lucrativos que desenvolve ações de segurança no trânsito em todo o Brasil.

PROGRAMAÇÃO

O Dia da Mobilidade Elétrica começa a partir de 8h na Rua Treze de Maio, 1642, Bela Vista (Clube da Sabesp).

Haverá uma saudação do presidente da ABVE, Ricardo Guggisberg, seguido de uma exposição do secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caran.

Vereadores que apoiam a causa da eletromobilidade em São Paulo estarão presentes, como Police Neto, Gilberto Natalini, Mario Covas Neto e Caio Miranda.

A carreta de veículos elétricos começará por volta de 10h. Os veículos saem da Rua Treze de Maio e percorrem toda a Avenida Paulista.

Em seguida, entram na Avenida Dr. Arnaldo, descem a Rua Major Natanael e estacionam na Praça Charles Miler.

Os veículos ficarão expostos no Pacaembu até 14h. Haverá show de drones, food trucks e espaço para crianças.

IPVA

A ABVE aproveitará o evento para agradecer ao prefeito Bruno Covas por ter posto em prática a Lei nº 15.997, que permite a isenção de rodízio e o reembolso parcial do IPVA para os veículos híbridos e elétricos emplacados na cidade.

Apesar de a lei ter sido regulamentada em 2015, os reembolsos de IPVA estavam pendentes até o início de 2019.

A cidade também já isenta os veículos elétricos e híbridos de rodízio.

Paralelamente, a ABVE, em conjunto com a Prefeitura, desenvolve um projeto para criar uma Zona de Mobilidade Urbana Verde (Zona MUV) no centro histórico de São Paulo.

Na Zona MUV, só poderiam circular veículos movidos a combustíveis sustentáveis, de baixa emissão de poluentes.

ABVE

A ABVE é uma associação sem fins lucrativos, criada em 2006, que defende o desenvolvimento do mercado do veículo elétrico e híbrido no Brasil.

É a única entidade que representa toda a cadeia produtiva da eletromobilidade no Brasil – dos veículos pesados, leves e levíssimos, à indústria de componentes e geração e distribuição de energia elétrica.

Leia mais

SeMOB promove seminário sobre bicicletas elétricas em Brasília

A tendência mundial no aumento do uso de bicicletas elétricas tem colocado este modo em evidência também no Brasil. Para estimular a discussão acerca do uso das bicicletas elétricas, o Ministério das Cidades, por meio da Gerência de Planejamento / SeMOB, promove o evento Bicicletas elétricas: tecnologias, políticas e cenários futuros. Além de palestras e debates, espera-se criar e fortalecer uma rede de contatos e integrar os diversos atores envolvidos, facilitando a inserção dessa tecnologia nas cidades brasileiras.

O seminário acontece no dia 11/12, no Auditório do Ministério das Cidades. Ed. Telemundi II, Quadra 1, Bloco H, Setor de Autarquias Sul, Brasília.

As inscrições terminam hoje (7/12), e podem ser feitas na página do evento.

Programação:

9h-9h20 – ABERTURA

9h20-10h40 – BLOCO 1 – A Tecnologia das Bicicletas Elétricas

Para iniciar o evento, é necessário compreender e debater o contexto das bicicletas elétricas no mundo e no Brasil, além de apresentar as tecnologias e produtos disponíveis, seus desafios e potenciais impactos negativos e positivos.

» Palestra – Bicicletas Elétricas no contexto global e brasileiro

» Painel – Desafios e Impactos das Bicicletas Elétricas

10h40-11h – INTERVALO

11h-12h15 – BLOCO 2 – Políticas e planejamento para as novas tecnologias

Para receber estas novas tecnologias e formas de mobilidade, será necessário discutir as políticas públicas vigentes e necessárias para isso, bem como integrá-las aos instrumentos de planejamento, em especial os Planos de Mobilidade Urbana e o Programa Bicicleta Brasil.

12h15-13h30 – ALMOÇO

13h30-15h – BLOCO 3 – Casos demonstrativos

Após compreender as soluções tecnológicas e as políticas necessárias para receber as bicicletas elétricas, é importante conhecer quem já está fazendo com experiências e aprendizados da prática.

» Boas práticas e exemplos de municípios e empresas

» Experiências e Aprendizados

15h-16h – BLOCO 4 – Cenários futuros

Como encerramento, é necessário visualizar os cenários que temos com as bicicletas elétricas, onde conseguimos chegar, qual o seu papel nas cidades e quais entraves teremos que superar.

16h-17h – Exposição de produtos e serviços

Leia mais